sexta-feira, 10 de abril de 2009

Copy, Paste... dele!

No caminho de regresso a casa, seguia à minha frente uma daquelas camionetas das obras que, para além de andarem apenas a 20km/hora, largam pedregulhos e terra por tudo quanto é lado. Por forma a abreviar caminho e não levar com um desses "meteoritos" no meu capot, resolvi seguir por um caminho que não é o habitual. O Xavier, que decora todos os percursos e sabe muito bem sempre para onde nos dirigimos, perguntou logo a seguir:
- "Ondi" vamos, mãe?! Não vamos "pa caxa"?.
- Vamos, amor. Mas a camioneta que ia à nossa frente estava a largar pedras e ia mt devagarinho, por isso a mãe decidiu fazer um atalho.
Responde ele logo de seguida:
- Vamos ao talho? Vamos "compá" o quê, mãe? "Caninha"?!
Eheheheh. De salientar que o nosso Xavier adora ir ao talho! Vibra quando os senhores cortam a carne às "traulitadas"! :)

Numa noite destas, quando o pai o estava a adormecer o Xavier pergunta:
- Eu tenho um mano?!
O pai... sem saber o que vinha a seguir, respondeu-lhe que não. Que tinha uma mana, a Laura.
- Eu "quéio" um mano! Disse-lhe ele.
O pai, meio desorientado, perguntou-lhe - Queres um mano???!!!
- "Xim", eu "quéio" um mano.
- Ah... bem... Então se queres um mano, temos de ir falar com a mãe...
- Xim, um "F(r)ede(r)íco".
- Frederico?????!!!!!
- Xim, um mano "Fedeíco".
(LOL Costumamos falar em ter 3 filhos (não para já!!!!) e o mais engraçado é que gostávamos que o 3º fosse um rapaz, mas... Fredericoooooo?!! Que me perdoem as mães/pais que gostam deste nome, mas definitivamente, não é o nosso caso! eheheh!
Conclusão: No dia a seguir em conversa com a avó, soubemos que no parque costuma brincar com um menino chamado Frederico.
Como explicamos ao Xavi que os manos "chegam" sempre do tamanho da mana, sem dentes e sem saber falar e correr??! )


Ontem magoei-me no pé esquerdo, o que me impossibilita de conduzir. Liguei para a minha mãe para a avisar e quis explicar ao Xavi que era o pai que o ia buscar porque a mamã tinha-se magoado.
- Filhão, hoje é o papá que te vai buscar porque a mamã não consegue conduzir, porque se magoou.
- Ai xim? Ondi mãe? E "dói-ti"?! (eu parto-me a rir sempre que ele diz "Ai xim" com aquela vozinha mt concentrada a atenta! É demais!)
- No pé.
Pergunta logo ele: - E "agóia", mãe?!
Então, agora tenho de pôr mt gelo como costumamos pôr nos teus "galos".
- Ahh! Responde ele, muito esclarecido.
(O mais engraçado nestas conversas, é que o Xavier é uma criança que necessita mesmo de perceber o porquê das coisas. Não se contenta com um "porque sim". Por norma, a seguir ao "porque sim" vem logo outra pergunta!!! Assim, com uma explicação que lhe seja clara e lhe faça algum sentido, costumamos fechar a conversa e ele não fica preocupado. Escusado será dizer que, mal me viu... quis logo ver o meu "dói-dói"!!!)

- Xavier, pede ao pai para te ajudar a arrumar os brinquedos, sff.
- "Xim", eu "pédo".
(Xaviês, no seu melhor!)

Um comentário:

© Tété £ Xavier disse...

LOL Mas que menino delicioso!
Por cá também sou apologista a que se explique a razão das coisas porque alguma coisa há-de entrar ;o)
Espero que a vossa Páscoa tenha sido bem docinha!
Beijos
Tété & Xavier